Depoimento Julia Roliz

Design Social / Projetos

Um fulano de tal

Depoimento da aluna Julia Roliz, habilitação de Moda, sobre o projeto Um fulano de tal desenvolvido na Disciplina DSG1004, 2019.2.

O corpo não é natural. Esse corpo que acreditamos que nos pertence de forma absoluta é, na verdade, um corpo ensaiado, produzido a partir dos signos da cultura. O corpo é um hábito, é produto de uma série de discursos. Nos envolvemos com elementos escolhidos para nós, usamos máscaras, trocamos de pele. Idealizamos nos encaixar nas delimitações impostas pelo corpo social. Nos inquietamos dentro de nosso próprio corpo. Moldamos nossa carne, até o momento em que aquilo tudo que, a primeira vista, era entendido como natural, se transforma em artificial, em matéria construída. O que se apresenta de mais próprio em nossos corpos consiste naquilo de que nós mesmos escolhemos nos apropriar.
Como forma de pesquisa, analisamos discursos relacionados à interação entre o indivíduo e o corpo social. A partir disso, mapeamos grandes grupos formadores da sociedade: grupo A (progressistas), grupo B (conservadores) e Massa Cinza, entre A e B, composta por indivíduos que ora se identificam com A, ora com B, mas nunca com um deles em sua totalidade. Esses sujeitos se comportam, em sua maioria, de forma passiva, superficial, fogem de conflito. Tendo em vista que nosso objetivo consiste não em gerar mudanças estruturais na sociedade, mas sim em sensibilizar o outro a respeito de questões ligadas à sexualidade e ao corpo, optamos por fazer um trabalho que se dirigisse diretamente a esse sujeito cinza, pois o consideramos o mais passível de mudança, visto que não apresenta posicionamento concreto. Como forma de acessar o outro, buscamos uma estratégia que não o afastasse. Criamos um perfil no Instagram de um indivíduo – a personificação dos discursos da Massa Cinza -, em que lançamos uma série de episódios curtos que trazem situações do dia a dia de forma fantástica e caricata, com o intuito não atuar como um gatilho, estabelecendo um distanciamento entre a crítica produzida e o espectador. Buscamos gerar alguma movimentação no sujeito cinza que assistir, tirá-lo minimamente da inércia, a partir da elaboração de um espelho de si mesmo.

Alunos do grupo:
Ana Luiza Bezerra
Gabriel Trinxet
Hugo Mendes
Julia Roliz
Leonardo Antunes
Maria Clara Zobaran

Professores orientadores:
Eliane Garcia
Gilberto Mendes